DICA RDP Saiba Mais Sobre o Transporte de Cargas Indivisíveis
Atualizada em: 17/05/2019 14:52

As cargas indivisíveis são, assim como o próprio nome sugere, cagas que não podem ser divididas, sendo transportadas em uma única peça, pois normalmente são  muito grandes e pesadas, exigindo um maior cuidado durante o transporte. Você, amigo leitor, caso seja motorista de carro, provavelmente já se deparou com um caminhão transportando uma pá eólica, ou mesmo um caminhão com uma peça enorme, cercado de carros de escolta, pois é, esses são exemplos de cargas indivisíveis, sendo também exemplos, guindastes, asas de avião, ou também, grandes toras de madeira. O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) editou a Resolução 01/2016 que procura disciplinar a utilização das rodovias para o transporte de cargas indivisíveis, sendo assim, ela trás a seguinte explicação:

 

"Carga indivisível é a carga unitária com peso e/ou dimensões excedentes aos limites regulamentares, cujo transporte requeira o uso de veículos especiais com lotação (capacidade de carga), dimensões, estrutura, suspensão e direção apropriadas."

 

A resolução também apresenta alguns exemplos de cargas indivisíveis, e além dos apresentados acima, podemos destacar as máquinas industriais, peças de grandes dimensões, transformadores, reatores, entre outros vários.

 

O TRANSPORTE DE CARGAS INDIVISÍVEIS

Esse tipo de transporte possui uma complexidade bem maior que os tradicionais, e exigem uma atenção especial, já que muitas vezes ele pode afetar a a segurança de
todos os que cruzam o seu caminho. O primeiro passo é obter a Autorização Especial de Transporte (AET), para veículos especiais, essa autorização é válida por 90 dias, e sendo utilizada apenas para uma viagem, com rota já definida e previamente informada ao DNIT. Caso necessário, esse prazo pode ser prorrogado, porém é preciso uma justificativa para esse tempo excedente. Já os veículos transportadores de cargas indivisíveis podem receber uma autorização de até 1 ano, podendo transitar apenas durante o dia, em qualquer rodovia federal, porém, respeitando alguns requisitos, como o comprimento total, no caso, de 30 metros, altura e largura, sendo 3,20 e 4,40 metros respectivamente, e o peso bruto total de 57 toneladas.

 

O transportador deve ter a consciência de fazer a sinalização correta na traseira do veículo, para que os demais veículos fiquem mais atento quandro se depararem com essa situação. Em muitas ocasiões o transporte exige uma escolta, sinalizando e organizando o fluxo, para que o mesmo ocorra da melhor maneira possível, quem define essa necessidade é a autoridade competente para emitir a AET, que observa critérios como altura, largura, peso, comprimento, e o quanto o transporte pode "atrapalhar" o fluxo da via.

 

Em caso de acidentes, o transportador deve sinalizar a via imediatamente, e procurar remover a carga em tempo razoável, caso seja possível, para não gerar mais problemas ao fluxo de veículos.

Um outro detalhe é que desde 2014 o Contran estabeleceu como obrigatório um curso especializado para capacitar e orientar os condutores de cargas indivisíveis, havendo multa para que não tiver essa qualificação.